COMPARTILHAR
Viajar sozinho - surpresas
La Casa del Árbol em Baños, no Equador

Minha primeira viagem solo foi em 2013, uma trip pela a Patagônia que começou e terminou em Buenos Aires. Depois desta viagem inesquecível, viajar sozinho se tornou um hábito na minha vida. Inclusive, acho que da pra contar nos dedos de uma mão em quantas ocasiões viajei acompanhado depois disto. É claro que algumas vezes que viajo sozinho, é por pura falta de companhia para os destinos e datas que pretendo ir. Porém, admito que viajar sem conhecidos ao meu lado é uma das minhas grandes paixões na vida.

Em poucos dias embarcarei para mais uma viagem assim. E, mesmo já tendo viajado sozinho muitas vezes, sempre fico ansioso antes da partida. E não é apenas uma típica ansiedade de pré viagem, é algo que vai além disso. Uma expectativa pelas coisas que podem acontecer e que, de um modo geral, raramente acontecem quando estou viajando acompanhado.

E desta vez não está sendo diferente. Pelo contrário, a ansiedade ganhou um agravante pelo fato de que voltarei para a cidade onde tomei gosto por este tipo de viagem, Buenos Aires. Embora eu consiga imaginar algumas coisas que provavelmente acontecerão, são as situações imprevisíveis que causam esta ansiedade. E são elas também que normalmente rendem as melhores histórias e lembranças.

Viajar sozinho - recordações
Circuito Chico em Bariloche, Argentina

Por exemplo, já me imagino descendo do ônibus em um ponto errado e tendo que caminhar muito mais por isso. Mas será que terei alguma ajuda voluntária como a que aconteceu em Bogotá? Quando, ao invés de simplesmente me responderem qual caminho seguir, os policiais me deram uma carona pois achavam que aquela região não era segura para um turista solitário.

Também me imagino conhecendo novas pessoas no hostel em que vou ficar. Mas será que alguma delas terá morado em Itatiba? Uma pequena cidade do interior de São Paulo onde estudei e trabalhei por muitos anos, e que também já foi a casa de uma colombiana que conheci no Equador.

Aliás, ainda sobre as possíveis amizades iniciadas em hostel, quem serão aqueles que poderão me fazer esquecer das atrações turísticas, quando o papo e a diversão com eles é muito melhor? Aproveito para mandar um abraço para a Steph e o Diego, colombianos de Santa Marta e parcialmente responsáveis para que eu ficasse bem menos tempo do que pretendia em Cartagena. E claro, outro para a Carol, cuiabana com coração paulistano que conheci em Buenos Aires e se tornou uma grande amiga.

Também já me imagino comendo em alguns restaurantes que pesquisei de antemão. Mas qual se tornará o meu favorito, que eu nunca tinha ouvido falar e foi indicado por um novo amigo, como o Café Zorba, em Medellín?

Fico pensando quem serão as pessoas que podem me fazer companhia em longas horas de viagem de ônibus, fazendo com que eu nem perceba o tempo passar. Ou então, aquelas que farão um simples voo de Buenos Aires a São Paulo parecer interminável, como a criança birrenta que se sentou ao meu lado na volta daquela minha primeira viagem sozinho.

E óbvio, me imagino conhecendo muitos lugares e atrações da capital argentina. Porém como será a sensação de revisitar alguns deles e quais são as novas surpresas que me esperam? É essa incerteza que me causa tanta ansiedade, e que me faz gostar ainda mais de viajar sozinho.

+ Dicas para quem vai viajar sozinho

>>> 11 conselhos para quem vai viajar sozinho

>>> 5 (bons) motivos para você viajar sozinho

>>> 8 erro que cometi no meu primeiro mochilão

>> Aos meus amigos de viagem: Muito obrigado por existirem


E você, já viajou sozinho ou tem outras dicas??? Me conta sua experiência aí nos comentários!!! 🙂

Esse post te ajudou ou foi útil de alguma maneira? Curta e compartilha clicando nos botões abaixo. Não custa nada e é uma forma de sabermos se você está gostando do nosso conteúdo. Além de deixar um blogueiro muito feliz! xD

COMPARTILHAR
Desde que comecei a viajar, em 2011, conhecer o mundo se tornou um dos meus objetivos de vida. Em 2014 deixei meu antigo emprego para realizar a minha primeira grande trip: 10 meses viajando e trabalhando pela América Latina. Desde então compartilho minhas experiências de viagem aqui no Volto Logo.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here