Serra Negra, no interior de São Paulo: Dicas práticas para organizar sua viagem. (Quando ir, quantos dias ficar, como chegar, pontos turísticos e restaurantes!)
Salve esta imagem no seu Pinterest!!!

Sem muitas expectativas, mas confiante de que a viagem a Serra Negra renderia alguns dias de descanso, cheguei a tal cidade, que está a 150 quilômetros de São Paulo, depois de quase quatro horas dentro de um ônibus.

Embora a distância não seja muita, os ônibus de São Paulo a Serra Negra fazem pinga-pinga por diversas cidades do interior paulista. Além disso, parte da estrada possui curvas perigosas, o que exige prudência e velocidades reduzidas.

São e salvo em terras serranas, logo de cara percebi que Serra Negra, município com menos de trinta mil habitantes, é de fato uma escolha acertada para quem deseja dias de tranquilidade – principalmente se você chegar por estas bandas durante a semana, quando o movimento de turistas é menor do que aos sábados e domingos.

E, para que você também consiga aproveitar ao máximo os seus dias de sossego, sem abrir mão de bater perna por lugares bacanas, neste texto eu darei a você seis dicas que ajudarão a organizar uma baita viagem a Serra Negra, no interior de São Paulo.

1- Quando ir?

Em relação aos meses do ano, o período de maior movimento em Serra Negra é durante as férias escolares de verão e inverno. Durante junho e julho, inclusive, há um festival de inverno com atrações musicais, culturais e gastronômicas, o que atrai ainda mais viajantes.

Além disso, em todo e qualquer final de semana a cidade vê sua população aumentar. Afinal, Serra Negra é perfeitamente visitável num sábado e domingo. Em feriados prolongados a dinâmica é a mesma, e os turistas chegam aos montes na cidade.

Apesar das possíveis multidões – nada muito exagerado – estes períodos mais concorridos são os melhores para uma viagem a Serra Negra. Isso porque, na baixa temporada – ou até mesmo nos dias da semana, como segunda, terça e quarta-feira – algumas atrações turísticas e comércios em geral podem estar fechados, o que acaba prejudicando a sua programação.

quando viajar para Serra Negra
O Parque Macaquinhos, por exemplo, durante a baixa temporada só fica aberto aos finais de semana!

2- Quantos dias ficar?

Um final de semana inteiro, se programando para chegar no sábado ainda de manhã, e ir embora no domingo a noite, é um período perfeitamente razoável para uma viagem a Serra Negra.

Com um dia extra você pode aproveitar as poucas atrações turísticas da cidade com mais calma, ou dedica-lo para curtir as mordomias do seu hotel, caso você tenha escolhido uma hospedagem que ofereça estrutura de lazer além de uma suíte para passar a noite.

quantos dias ficar em Serra Negra
Alto da Serra

3- Como chegar e se locomover?

Dá pra chegar de ônibus em Serra Negra. Saindo de São Paulo capital, a empresa Rápido Fênix possui seis saídas diárias para Serra Negra. Os ônibus partem do Terminal Rodoviário Tietê, a passagem custa R$ 60,00, e o deslocamento leva entre três e quatro horas.

De Campinas, o Grupo Metrópolis faz a rota até Serra Negra sete vezes ao dia. A passagem custa R$ 30,00 e o percurso dura pouco mais de duas horas.

Desembarcando na Rodoviária de Serra Negra, que fica no centro da cidade, você pode ir caminhando até o seu hotel – caso ele seja próximo – ou pegar um táxi.

Aliás, para quem não estiver de carro é bom preparar o bolso para as corridas de táxi, já que essa a única maneira de chegar aos pontos turísticos afastados do centro de Serra Negra.

Não há Uber, ao menos não até julho/2019, e o transporte público não chega a todas atrações – além de ter um horário bastante limitado.

Para quem se hospedar no centro, a boa notícia é que, ao menos a região central, é facilmente percorrida a pé.

4- Hospedagem em Serra Negra

Durante uma viagem a Serra Negra há basicamente duas regiões para ficar hospedado: no centro da cidade ou em bairros mais afastados.

No centro, o viajante tem a comodidade de estar a curtas caminhadas de bares, restaurantes, comércios em geral e alguns atrativos turísticos.

Por outro lado, quem escolhe se hospedar em pousadas e hotéis mais afastados, normalmente tem uma estrutura de lazer na acomodação, além de estar em mais contato com a natureza. Tenha em mente, porém, que ter um carro para os deslocamentos será fundamental.

No centro de Serra Negra, um dos lugares mais econômicos para se hospedar é no Gerosa Hostel. Que, apesar do nome, funciona como uma pousada.

Outros dois hotéis centrais e com excelente custo-benefício é o Hotel Shelton e o Cordilheira Hotel.

Longe do centro e mais perto da natureza, a Chalés Vila da Serra e a Pousada Cachoeira, possuem ótimas avaliações e dificilmente decepcionam.

Querendo investir num hotel com pensão completa, ou seja, que inclui café da manhã, almoço e jantar no valor da diária, o Hotel Akropolis é a melhor pedida.

acomodação em Serra Negra
Gerosa Hostel

Leia também: 7 pousadas baratas em Serra Negra

5- Atrações e pontos turísticos

Embora não seja um destino com dezenas de atrações turísticas, uma viagem a Serra Negra nos oferece programas bastante simpáticos, típicos de uma cidade do interior.

No burburinho central, praças, bares, restaurantes, docerias e empórios, rendem passeios onde o objetivo principal é comer bem.

Pertinho do centro, ao lado da rodoviária, está um dos pontos turísticos mais visitados de Serra Negra: um teleférico que nos leva ao Pico do Fonseca, de onde podemos ter uma vista panorâmica da cidade.

Outro lugar que nos presenteia com uma excelente visão é o Alto da Serra. A 1.310 metros de altitude esse é o local mais alto da região, e, inclusive, é utilizado para saltos de parapente. Ir até lá no final da tarde certamente rende um pôr do sol digno de palmas.

Na Disneylândia dos Robôs, que fica perto do centro, você encontrará um punhado de invenções e engenhocas que conquista crianças e adultos.

Para mais contato com a natureza, o Parque Represa Dr Jovino Silveira é uma alternativa que rende um belo passeio contemplativo.

Já o Parque Macaquinhos é uma espécie de clube para passar o dia – ou ao menos parte dele – que oferece atrações divertidas, principalmente, para a criançada. Trata-se de uma enorme área verde com lago, tirolesa, pedalinho, piscina, cama elástica e outras atrações do gênero.

lugares para conhecer em Serra Negra
Empório de doces, pimenta, queijos e outras delícias!
pontos turísticos em Serra Negra
Vista do Teleférico de Serra Negra

Leia também: 7 dicas do que fazer em Serra Negra – SP

6- Onde comer em Serra Negra

Os principais bares e restaurantes de Serra Negra se encontram no centro da cidade. Por lá, há desde lugares baratinhos a outros com cardápio mais elaborado.

Para um almoço BBB, simples e sem firulas, no Restaurante Ideal e no Guedes Shekinah você encontra buffet à vontade por R$ 15,00.

Também no mesmo esquema para comer o quanto quiser, o Panela no Fogo serve um buffet mais variado – ideal para carnívoros – por R$ 28,50, já com opções de sobremesa na conta.

Aos arredores da Praça João Zelante, a principal de Serra Negra, há restaurantes e lanchonetes mais arrumadinhas que servem pratos bem servidos. Meu lugar favorito foi a Lanchonete Americana, que inclui no cardápio hambúrguer, cachorro quente, porções, massas e pratos executivos. Outros lugares concorridos pela praça é o Café Boteco, Lela Pub e D’ Jones Pub Food.

Para sobremesa, a Doces Sentidos e a Casa dos Ursos Chocolates Artesanais, garantem docinhos gostosos por um preço camarada.

restaurantes em Serra Negra
Hambúrguer da Lanchonete Americana

3 lugares para se hospedar em Serra Negra

($) Para os viajantes que procuram um lugar econômico, o Gerosa Hostel é uma das opções mais bem cotadas da cidade.

($$) Quem faz questão de privacidade, mas não quer gastar uma fortuna, o Cordilheira Hotel tem um ótimo custo-benefício.

($$$) Podendo investir um pouco mais, vale conferir as suítes do Hotel Akropolis.

» Se preferir, clique aqui e confira outras ofertas de hospedagem em Serra Negra.

Desde que comecei a viajar, em 2011, conhecer o mundo se tornou um dos meus objetivos de vida. Em 2014 deixei meu antigo emprego para realizar a minha primeira grande trip: 10 meses viajando e trabalhando pela América Latina. Desde então compartilho minhas experiências de viagem aqui no Volto Logo.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here